Pular para o conteúdo principal

Bem-Aventurados os mansos - Sermão do Monte [6]





"Bem-aventurados os mansos, porque eles herdarão a terra;"

É interessante observar o paradoxo deste sermão proferido por Jesus, principalmente no que tange as Bem-Aventuranças. O Evangelho de Mateus foi escrito a judeus, e havia ali, no momento da pregação, pelo menos quatro partidos judaicos diferentes: Essênios, Escribas, Fariseus e Zelotes; este último, partido de Judas Iscariotes, que pregava, entre outras coisas, que o Messias viria para declarar uma guerra santa, conquistando Israel de volta aos israelitas numa grande revolta, destruindo todos os inimigos do povo a fio de espada. Então, vem Jesus, o Messias prometido, e num dos seus primeiros sermões, diz que felizes são os pobres, os que choram, e agora, os mansos. O messias político e militar que esperavam, estava pregando que a terra será dos mansos.

Para compreendermos sobre mansidão, precisamos nos atentar ao que não é ser manso. Mansidão não é uma qualidade natural do homem, uma disposição de berço. Também não é algo que se manifesta somente em alguns crentes. Como todas as outras Bem-Aventuranças, a mansidão deve ser vista em todo aquele que é verdadeiramente cristão, pois é, como as outras, um fruto do Espírito (Gálatas 5.22), independentemente do seu temperamento.

Ser manso não é ser insensível ou frio; também não significa ser fraco, frouxo, débil, daqueles que fogem de brigas e discussões. Não é ser gentil, simpático, educado, de fácil trato; não é como aqueles que vocês podem até dizer “Tenho um vizinho tão manso, gente boa, sossegado!”; não é aquele que busca a paz a qualquer preço, embora algumas destas características serem até nobres; ser manso bem-aventuradamente falando, não é isso.
O termo grego para mansidão, inclui o oposto da ira, da irritação, do melindre, da amargura; daquele que se consome em mágoa. Manso é ser amável, sem amargura. É baseado no Salmo 37.11 e, como venho argumentando, não é uma ordem ou mandamento, é antes uma graça, uma característica daquele que nasceu de novo, que possui uma nova natureza, o foi salvo. Esta mansidão é espiritual, e é uma submissão a Deus. Ser manso significa ser ‘amansado por Deus’. O que Jesus quis nos dizer em seu sermão é que ‘felizes’ são aqueles que foram amansados por Deus, domesticados, feitos submissos, escravos do Senhor.

Quando perdidos, éramos como animais selvagens. Estávamos em violenta rebeldia contra Deus (Romanos 1.30); rosnávamos para a Sua Palavra e vivíamos desgarrados, à sorte de nossa responsabilidade; bem como Isaías narra, éramos como ovelhas sem pastor, arredios em espírito, brutos, em rebelião ao Criador (João 3.36). Quando o Senhor nos resgatou, Ele nos domesticou, amansou, subjugou e nos quebrantou. Passamos, então a ouvir Sua voz, atender Seu comando, obedecer Sua vontade, amá-Lo e segui-Lo (João 10.27). Ser manso, é ser submetido a Deus, confiando a Ele o controle e domínio das nossas vidas.

Ser manso é, portanto, algo natural, uma vez que, pela graça de Deus, fomos feitos humildes de espírito, reconhecendo que nada temos e somos; e choramos, em perceber que nosso estado levou Jesus a cruz, nos tornamos mansos, pois percebemos que nada provém de nós, mas de Deus exercer misericórdia em Cristo. É uma ação exclusiva de Deus, é interior e que se exterioriza. É ser guiado pelo Senhor Jesus, ensinado pelo Espírito Santo, cuidado por Deus. É quando abandonamos a autoestima, a auto justificação, e deixamos de brigar com Deus e o mundo, admitindo que somos pecadores, percebendo a abrangência do perdão do Senhor e a vida que desfrutamos.

Esta Bem-Aventurança é claramente vista em Jesus, que disse ser manso e humilde de coração (Mateus 11.29). Vemos em Lucas 19.45-48, o Senhor numa atitude firme e enérgica, expulsando os mercadores do templo, demonstrando que mansidão não é covardia ou frieza. Mas, vemos o Cristo repetidas vezes submetendo-se ao Pai; ainda que fosse Deus de Deus e sem pecado (Filipenses 2.5-11), Ele se esvaziou e tomou forma de escravo; dizia sempre que viera fazer a vontade do Pai, que esta era sua missão e alimento, e mesmo em face da morte, nosso Senhor submeteu-se ao desígnio do Pai... Isso é mansidão! Temos ainda, no Antigo Testamento, o exemplo de Moisés, que de um príncipe guerreiro, tornou-se o mais manso dos homens desde que viu o Senhor na sarça ardente. Ou mesmo Paulo, que de feroz perseguidor da igreja, tornou-se um homem brando, que viveu sob a vontade de Deus, e tudo suportou pelo Evangelho desde que o Senhor o derrubou do cavalo. A mansidão nos derruba do alto do nosso ego, do nosso achismo, autossuficiência e prepotência, nos fazendo confiar e depender somente do Senhor para nossa salvação e santificação, mudando nosso caráter e natureza. De rebeldes, Ele nos faz escravos, desejosos pela vontade e cuidados do nosso Senhor e domador (Romanos 12.2b).

Esta mansidão também transforma o modo com que tratamos os outros. O que Jesus ensinava naquele monte é que quem se viu pobre de espírito e chorou por seus pecados, perde totalmente a confiança em si e se entrega a Deus. O manso compreende que sua salvação não vem dele, pois é Deus quem o justifica (Romanos 5.1); que nada há de bom em si, pois se tem algo de bom, é justamente Deus operando (Filipenses 2.13), e se faz algo de bom, é Deus agindo através dele (Efésios 2.10). Entender tais coisas, preparou os discípulos de Jesus a suportar tudo, até mesmo a perseguição, por saber que não precisavam ou podiam se defender com suas próprias mãos, pois Deus era seu defensor.  A mansidão remove nosso orgulho e nos equipara a qualquer outro ser humano. Ela nos faz entender que nada podemos reclamar, que este sistema não é nosso, nem tem nada para nos oferecer. Assim, não precisamos provar nosso ‘valor’ ou nos encaixar, nem mesmo brigar com aqueles que injustamente tramam nosso mal, pois, o que somos, senão pecadores salvos pela graça? Tudo o que temos, portanto, é lucro! Deste modo, o trato com os outros é aperfeiçoado, pois nada há a ser defendido quanto a nossa reputação; não precisamos nos irritar pelo que dizem a nosso respeito, nem sermos movidos de autocomiseração ou egoísmo, pois entendemos que nada somos, senão, pecadores. Como disse John Bunyan: “Aquele que está caído não teme a queda”. Assim, quando alguém vê verdadeiramente a si mesmo e admite sua vileza e incompetência, sabe que ninguém pode dizer a seu respeito nada exageradamente mau, por exemplo. O manso, por saber quem é, sempre colocará os outros em primeiro lugar e será movido por uma misericórdia santa, pois o Evangelho nos mostra que não somos moralmente superiores a ninguém, e que não precisamos temer os outros. Isto significa que, por termos sido amansados, agora podemos realmente amar os outros.

E então, chegamos à promessa: Os mansos herdarão a terra. Esta promessa se mostra em duas facetas distintas e complementares. Primeiro, os mansos herdarão a terra, porque estes tem vivido sob a submissão e cuidado daquele que é o Senhor da terra e de tudo o que nela há (Salmo 24.1). Aprendemos a depender do cuidado daquele que nos domesticou, o que nos leva ao contentamento e segura paz, como disse o Apóstolo Paulo: “Não digo isto como por necessidade, porque já aprendi a contentar-me com o que tenho. Sei estar abatido, e sei também ter abundância; em toda a maneira, e em todas as coisas estou instruído, tanto a ter fartura, como a ter fome; tanto a ter abundância, como a padecer necessidade. Posso todas as coisas em Cristo que me fortalece.” (Filipenses 4:11-13). O manso é satisfeito, mesmo nada tendo, mas possuindo tudo (2 Coríntios 6.10b). Além disso, herdaremos a terra, pois somos herdeiros de Deus e coerdeiros com Cristo (Romanos 8.17), de modo que com Ele reinaremos e receberemos o reino que nos foi prometido desde a fundação do mundo. Esta terra, então renovada, será nossa. Já temos vivido o Reino e veremos o seu cumprimento visível. Bem-aventurados os mansos, porque eles herdarão a terra!

A submissão a Deus é o que nos abençoa (Tiago 4.7). Você tem visto características de mansidão em você? Esta lógica da cruz é abençoadora, ou te soa como loucura? Você já foi submetido, amansado por Deus, ou confia em si e nas suas forças? Você é capaz de negar-se por Cristo, reconhecendo que sem Ele não é nada, nem pode fazer coisa alguma?

Que o Senhor o abençoe, derrubando-o do alto de sua rebelião, domesticando-o para o Seu louvor.


Soli Deo Gloria.
Sermão exposto pelo Pr. Luan Almeida.
_______________________________________________________________

Esboço baseado no livro: Estudos no Sermão do Monte. Martyn Lloyd Jones, Ed. FIEL. Adquira o livro aqui.

Outras referências: 

> Comentário Bíblico Matthew Henry (Confira aqui);
> Comentário Bíblico Esperança (Aqui);
> Livro: Crucificando a Moralidade. Ed. FIEL (Aqui);
> Meditações no Evangelho de Mateus. Ed. FIEL (Aqui).





Mais acessados

Entrevista com Pr. Wilson Porte Jr. [VÍDEO]

Nesta entrevista com o Wilson Porte Jr., realizada no 2º Fórum de Cosmovisão Cristã Sul-Baiano, o pastor fala sobre sexualidade cristã, homossexualismo, ideologia de gênero, a "eisegese gay", que reinterpreta textos bíblicos para torna-los favoráveis à sua agenda e como a igreja deve relacionar-se e tratar aqueles que se encontram tentados por pecados de ordem sexual. Wilson Porte Jr é escritor, professor de teologia e ministro de confissão religiosa servindo há 10 anos a Igreja Batista Liberdade, em Araraquara-SP.

Acesse a página do Pr. Wilson Porte:http://wilsonporte.org/



DEUS PRESERVARÁ OS MEUS INIMIGOS PARA QUE VEJAM A MINHA VITÓRIA! (?)

Bem... Não é o que diz a Bíblia! Está "na moda" seja em músicas tidas como gospel ou naquelas cantadas por grandes pensadoras contemporâneas, a afirmação de que Deus conservará a vida dos nossos inimigos para que eles vejam a nossa vitória, como se esse fosse o único objetivo da criação e preservação daquela vida.




Porém, nas Escrituras, é claramente perceptível a razão pela qual Deus cria o indivíduo. E eu sinto (sic) em dizer que não é para ser um contemplador de conquistas egoísticas alheias ou para ser um invejoso de triunfos outros. A razão é a glória do próprio Deus, como está em Isaías 43.6-7. Ademais, vemos impresso na revelação que esta é, na verdade, a razão de TODAS as coisas. Ele é tão preciosista com Sua glória que até mesmo suas promessas são feitas por amor do Seu Nome, como registra Isaías 48.9-11.

Por este motivo, Deus cria, sustenta, preserva, destrói, salva... Tudo. Absolutamente tudo para o louvor da sua gloriosa vontade soberana: (Efésios 1.4-6; Jeremias 1…

Retalhos recomenda: Projeto Sola

Retalhos Teológicos recomenda: Projeto Sola.
O Projeto Sola é um "folk-duo" formado por Guilherme Andrade e Guilherme Iamarino, de Minas e São Paulo respectivamente. As canções são baseadas na fé reformada e têm como pilares as Cinco Solas da Reforma Protestante. Tudo começou quando os dois se conheceram, em 2013. Os dois tinham bandas separadas, mas se conheceram quando foram tocar em um evento. “A gente começou a conversar via internet e o Gui se manifestou propondo que a gente fizesse alguma música juntos, compuséssemos alguma música juntos ou fizéssemos alguma coisas que desse para a gente tocar ao vivo”, diz o Guilherme Andrade (Confira o vídeo abaixo).

Depois nós entramos na mesma faculdade e começamos a nos ver ver periodicamente, em 2014. ele me mostrou ‘Redenção’, uma das músicas do EP e eu gostei da canção. Tinha algumas músicas também nessa pegada e decidimos gravá-las”, conta.
A banda tem forte influência de sons como I Am They e Mumford and Sons, principalmente…

Retalhos no YouTube