Pular para o conteúdo principal

O que você tem refletido?


Sede, pois, imitadores de Deus, como filhos amados; (Efésios 5.1)
Confesso que quando recebi este tema para esta breve reflexão, fiquei a me questionar sobre o que o “refletido” queria abordar. Reflexão em nossa língua é um exemplo claro de polissemia, que nada mais é do que os vários significados atribuídos a uma palavra (Ex: Manga de camisa e fruta, etc.). Fiquei a pensar sobre qual reflexão queria-se abordar. Se a reflexão de uma imagem num espelho, a reflexão como produto de um pensamento ou a reflexão de uma luz em uma superfície difusa. Por via das dúvidas, resolvi abordar estes três aspectos da reflexão, pois tem tudo a ver com o “imitar a Cristo”.
Paulo, o Apóstolo, escrevendo aos efésios, exorta-os a serem imitadores de Deus. E isto, escreve, se encaixa no sentido do exemplo de amor que o Senhor teve em demonstrar misericórdia e compaixão para com a humanidade radicalmente pecadora, que enquanto ainda inimiga d’Ele foi alvo do Seu amor perdoador e reconciliador (Rm 5.8). Este foi o amor de Deus em Cristo. Capaz de perdoar seus ofensores e agraciar com a vida eterna pecadores degenerados. Este amor desmedido, altruísta e doador (ágape) deve ser imitado por todos aqueles que se chamam “Seus filhos”. E este fato incide em total assimilação com o de sermos filhos, pois o filho obedece e segue os passos do Pai. Quantas manias e trejeitos temos, que percebemos ser herdados dos nossos pais? Ou mesmo uma criança que faz tudo quanto vê o pai fazendo. Isto é fruto de filiação, conhecimento, intimidade e imitação daquele a quem amamos como Pai.
Assim sendo, meditaremos em três perguntas: O que você tem refletido? O que você tem refletido? E por último, porém não menos importante: O que você tem refletido?
    
1.        O que você tem refletido?
Porque, se alguém é ouvinte da palavra, e não cumpridor, é semelhante ao homem que contempla ao espelho o seu rosto natural; (Tiago 1.23)
O texto de Tiago vai mostrar a maior dificuldade a qual mais temos visto em nossos dias no evangelicalismo moderno. Cristãos contemplam a si mesmos. A imagem que é refletida nos espelhos das almas dos homens é a própria e não a de Jesus Cristo. É uma imagem daquilo que são: homens naturais, não regenerados.
Como tem se multiplicado o número daqueles que se afirmam cristãos, mas que não conhecem e nem mesmo são conhecidos por Cristo! Estes “joios” passam anos; casam-se, morrem dentro das nossas igrejas sem ter um encontro verdadeiro com o Senhor Jesus, que transformasse as suas naturezas a ponto de reconhecerem a podridão de seus pecados e renderem-se ao Senhor como única fonte de salvação. Estes perdidos, quando contemplam-se no espelho só veem a si mesmos porque estão sozinhos em seu orgulho, vivendo rituais, regras e uma religiosidade totalmente aparente, longe do Salvador. Você é assim? O que você tem visto no espelho? Como pode ser um imitador de Deus se nem sabe quem Ele é?

2.       O que você tem refletido?
Antes tem o seu prazer na lei do Senhor, e na sua lei medita de dia e de noite. (Salmo 1.2)
Somos movidos por crenças. Você está aí, sentado confortavelmente tranquilo na frente do seu PC ou com seu smartphone ou tablet na mão porque entende ser este um lugar seguro. Porém, se sua mente compreendesse que este lugar está em chamas, com certeza você não estaria assim! Aqui percebemos a força das nossas convicções. Elas motivam as nossas ações e comportamento.
No que você crê? O que tem te motivado? São tantos hoje em dia aqueles que tem sido levados por ventos de doutrina, indo na onda de cantores gospel alienados, ou mesmo por ensinamentos satânicos de prosperidade financeira, liberalismo teológico ou mesmo caindo nos desvios de ateísmo, comunismo, ecumenismo?
Temos uma geração fraca e alienada como se vê porque lhe falta reflexão bíblica, e isto incide no ruminar da Palavra, na profunda e constante meditação da Escritura, para que ela seja a bússola norteadora das nossas mentes e consequentes ações. Como ser imitador se não se sabe nem no que imitar?

O que você tem refletido?
Assim resplandeça a vossa luz diante dos homens, para que vejam as vossas boas obras e glorifiquem a vosso Pai, que está nos céus. (Mateus 5.16)
Esta última análise tem toda uma conexão com identificação. Quanto mais estamos próximos a Luz, mais forte nossa reflexão. É como a lua que vemos em dias de cheia ou “superlua”, que uma vez, longe de obstáculos, pode brilhar refletindo a luz do sol por completo, iluminando sobremaneira a terra. Assim somos nós cristãos. Quanto mais livres de obstáculos que trazem sombras e trevas, mais forte refletiremos a luz de Jesus Cristo. E quanto mais próximos a Ele, mais plena a reflexão da nossa luz será.
Já passa da hora de deixarmos de ser uma geração que pula, determina, profetiza... Para sermos uma geração que desesperadamente anseia pelo Seu Senhor e busca-O ardentemente em oração numa relação íntima e sincera. Para que assim, junto d’Ele, a Sua gloriosa luz reflita em nós para que iluminemos os que nos rodeiam a fim de que “A luz que envergonha o próprio sol”, dissipe as trevas do mundo. Para imitarmos, precisamos estar próximos, pois imitamos a quem amamos.


O que você tem refletido? Qual o produto da imagem que é refletida no espelho da sua alma? A de Cristo ou a sua? O que norteia a sua mente e consequentes ações? A Palavra ou o mundo? Seu coração e consequentemente sua vida, ainda estão em trevas ou você tem conseguido refletir a Luz de Deus? Tais reflexões são deveras pertinentes para a compreensão de sua situação e papel de ação como imitador de Jesus nesta sociedade tão deturpada pela influência do mal. Que em Cristo, o fruto desta reflexão gere frutos de arrependimento, justiça e vida eterna em seu coração!

Luan Almeida
(Esboço da mensagem pregada para os jovens da Primeira Igreja Batista de Itabuna, em  09/08/2014)

Mais acessados

Bem-Aventurados os que tem fome e sede de justiça - Sermão do Monte [7]

"Bem-aventurados os que têm fome e sede de justiça porque eles serão fartos."
Mateus 5:6 CLIQUE AQUI E CONFIRA A EXPOSIÇÃO ANTERIOR
Esta Bem-Aventurança obviamente é resposta das outras Bem-Aventuranças, como um efeito natural daquelas. Já fomos ensinados na Palavra que devemos ser humildes de espírito, chorar pelos nossos pecados, e ser mansos. Até então, éramos impelidos a olhar para nós e examinarmos nossa completa penúria espiritual, nosso total desamparo e impotência, nossa verdadeira bancarrota espiritual. Nesta Bem-Aventurança, no entanto, somos levados a uma busca pela solução desses problemas, a fim de sermos libertos do “eu” – o que deve ser um anseio de todo crente. Esta Bem-Aventurança nos leva a meditarmos na exclusiva graça de Deus, no fato de ter Ele nos salvado inteiramente por Seu amoroso favor. Para melhor compreendermos, devemos observar cada parte desta declaração do Senhor Jesus, a começar pelo vocábulo “justiça”. A Bíblia nos diz que bem-aventurados, ou fel…

Sermão do Monte: As Bem-Aventuranças [3]

"Bem-aventurados os pobres de espírito, porque deles é o reino dos céus; Bem-aventurados os que choram, porque eles serão consolados; Bem-aventurados os mansos, porque eles herdarão a terra; Bem-aventurados os que têm fome e sede de justiça, porque eles serão fartos; Bem-aventurados os misericordiosos, porque eles alcançarão misericórdia; Bem-aventurados os limpos de coração, porque eles verão a Deus; Bem-aventurados os pacificadores, porque eles serão chamados filhos de Deus; Bem-aventurados os que sofrem perseguição por causa da justiça, porque deles é o reino dos céus; Bem-aventurados sois vós, quando vos injuriarem e perseguirem e, mentindo, disserem todo o mal contra vós por minha causa. Exultai e alegrai-vos, porque é grande o vosso galardão nos céus; porque assim perseguiram os profetas que foram antes de vós."
Mateus 5:3-12 CLIQUE AQUI E CONFIRA A EXPOSIÇÃO ANTERIOR

Chegamos em nossa série nas Bem-Aventuranças. Nesta parte do Sermão do Monte, o Senhor Jesus começa a descrever o …