Pular para o conteúdo principal

O Evangelho


“Porque não me envergonho do evangelho de Cristo, pois é o poder de Deus para salvação de todo aquele que crê; primeiro do judeu, e também do grego. Porque nele se descobre a justiça de Deus de fé em fé, como está escrito: Mas o justo viverá pela fé.“
Romanos 1:16-17

Falar sobre o Evangelho de Jesus Cristo é a mais honrosa e dificultosa tarefa a se cumprir. Com esta mensagem, muitos foram, são e serão salvos no decorrer da história, e por ela, muitos serão eternamente condenados ao inferno. O Evangelho é a mensagem mais simples, de modo que o mais humilde dos homens entende e a absolve como verdade salvadora. Por outro lado, é tão rica que nem mesmo a eternidade será suficiente para compreendê-la em sua inteireza.
Como Paulo, é possível dizer que não há motivos para envergonhar-se do Evangelho, visto que, sem sombra de dúvida, não há nada mais precioso ao homem que as “Boas Novas”. No entanto, o que a igreja moderna tem feito com o nome do “Evangelho” é no mínimo digno de repulsa.
A superficialidade desta mensagem de “graça barata”, que exalta o homem e o serve, é o resultado do desvio doutrinário dos últimos anos e do evangelicalismo que mostra um “Jesus bobo”, que a todos se molda e para não perde-los, bate nas portas e se machuca com suas recusas. Fala-se em um evangelho sem cruz, que só traz benefícios e não toca em Verdade, Justiça e Juízo. Somente serve para massagear os egos com seu teor de autoajuda que em nada desafia o pecador, antes acomoda-o em seu confortável sofá de pecados e alimenta-o com eventos, vitórias, prosperidade financeira, psicologias e toda a sorte de palavras sem conteúdo bíblico, engordando-o com este mundo e aumentando mais ainda sua destituição de graça divina. A tais, não lhe resta nada mais a não ser uma enorme inscrição em suas testas onde se lê em relevo: “CONDENAÇÃO”!
Tais coisas só fazem demonstrar a fragilidade do falso cristianismo que impera nesse mundo de megatemplos e atos proféticos. Como não se envergonhar? Como não desejar o vômito iminente?
Por este motivo, um retorno ao Evangelho se faz primordial. E não há outra maneira de ter novamente estes valores impregnados em nossos corações, se não pela Palavra que o testemunha. Acredito que somente um correto entendimento da mensagem do Evangelho, mediante ação eficaz do Espírito Santo, pode fazer com que a montanha de ossos secos ganhe vida, e desta vez, eterna. Convido-o a conhecer comigo, o Verdadeiro Evangelho e entender porque ele é o poder de Deus para salvação de todo aquele que nele crê.

O Evangelho começa em Deus
Antes de qualquer coisa é importante saber que o Evangelho começa em Deus. Ele é antes de todas as coisas serem criadas (Salmo 90.2) e tudo neste mundo converge para Ele e sua glória (Is 43.7; Cl 1.15-19).
A Bíblia nos diz que Deus possui características que são totalmente ligadas a essência do seu ser, estes são seus atributos, dos quais podemos destacar sua justiça (Is 5.16), santidade (Is 6.3), e bondade (Sl 107.1), como nos diz Lucas 18.19:

“Jesus lhe disse: Por que me chamas bom? Ninguém há bom, senão um, que é Deus. ”

Saber que Deus é bom, justo e santo é algo maravilhoso para nós. Imagina se o universo fosse criado por um Deus mau, injusto e que negasse a si mesmo? Isto seria horrível!
Porém, este fato ao mesmo tempo se torna um problema para nós, pois Deus é bom e nós não somos. E o que Ele deve fazer conosco, uma vez que somos o oposto do que Ele é?

Entendamos este problema:
A Bíblia diz que o homem é injusto (Rm 3.12), que é pecador e carece da glória de Deus (Rm 3.23). Ainda diz que por conta da desobediência à ordem de Deus dada no Éden (Gn 2.17), todos os homens estão mortos legal e espiritualmente, além de condenados ao inferno (Rm 6.23). Desde o pecado, todos os homens estão em rebelião contra Deus, são inimigos e odiadores d’Ele (Rm 1.30).

Se, portanto, Deus é bom e os homens são maus. O que deve um Deus justo e santo fazer com pecadores maus e corruptos? Imaginemos um tribunal onde o juiz em vez de condenar o réu comprovadamente culpado, o inocenta e liberta, ainda que todas as provas mostrem que ele é culpado e digno de condenação. Este juiz seria considerado injusto, e injustiça não é uma característica do Deus da Bíblia.

Vejamos como os pecadores são tratados diante de Deus:

“Os loucos não pararão à tua vista; odeias a todos os que praticam a maldade. Destruirás aqueles que falam a mentira; o Senhor aborrecerá o homem sanguinário e fraudulento. “
Salmos 5:5-6

Por ser justo, Deus não poderia deixar a transgressão do homem impune. Não há justificativa para o pecado e só resta ao pecador a condenação pelo mau que é intrínseco e tão praticado por ele.

Sendo assim, como poderia então Deus nos perdoar?
“Se um Deus justo simplesmente perdoa os ímpios, Ele não é mais justo. Se um Deus Santo chama o ímpio para Ele mesmo, para ter comunhão com Ele, não é mais um Deus Santo. Então a grande questão de toda a Bíblia é esta: Como um Deus justo perdoa o homem ímpio e continua sendo justo?
Como um Deus Santo chama o ímpio para ter comunhão com Ele e ainda continua santo?”**

Observemos o texto de Números 14.18:

“O Senhor é longânimo, e grande em misericórdia, que perdoa a iniquidade e a transgressão, que o culpado não tem por inocente, e visita a iniquidade dos pais sobre os filhos até a terceira e quarta geração. “
O texto bíblico diz que Deus é misericordioso e perdoador, embora não inocente o culpado. Isto quer dizer que Deus só poderia nos perdoar caso houvesse punição para o culpado, pois “sem derramamento de sangue, não há perdão de pecados” (Hb 9.22).

Então, como poderia Deus nos perdoar?

“Para demonstração da sua justiça neste tempo presente, para que ele seja justo e justificador daquele que tem fé em Jesus. ”
Romanos 3.26

“Na Cruz de Jesus Cristo, vemos a revelação tremenda e única da completude dos atributos de Deus. Deus é justo, Ele tem que condenar nosso pecado. Deus é Amor, então Ele se torna um homem em seu filho, vive uma vida perfeita como homem e então vai até aquele madeiro, e no madeiro, os pecados de Seu povo são lançados sobre Ele e toda a justiça de Deus, toda ira de Deus que nós merecemos é jogada sobre a cabeça de Cristo. A medida exata necessária para satisfazer completamente a justiça de Deus. Depois de sofrer, Jesus disse: ‘Está consumado! ’ (Jo 19.30)
Isso quer dizer que Ele fez aquilo que foi exigido para satisfazer a justiça de Deus contra o Seu povo. Ele pagou o preço completo. ”**

Jesus Cristo foi o justo que pagou pelos injustos. Ele foi esmagado e moído para pagar pelos nossos pecados (Is 53.10). Através do Seu sacrifício na cruz, fomos justificados (Rm 5.6-11). É como se prestes a receber a injeção letal que levaria o condenado à morte, alguém tomasse seu lugar e recebesse a pena de morte que lhe era devida. Foi o que Jesus fez na cruz! Ele recebeu toda a ira de Deus, toda a eternidade no inferno de uma só vez para livrar o seu povo da condenação merecida, ainda que Ele (Jesus) não houvesse cometido nenhum pecado sequer.

Por apresentar-se como culpado ante o Pai em nosso lugar, recebendo todo o furor da ira de Deus para limpar-nos de qualquer condenação (Isaías 52.13ss), Jesus se torna nosso único salvador, uma vez eu não poderia ser confiado a outro esse encargo. (At. 4.12; Jo 14.6; 1Tm 2.5).

Assim, não há outro que poderia nos salvar, não haveria plano melhor que esse, na verdade, o mundo só foi criado porque o Cordeiro de Deus já havia sido providenciado para redimir o Seu povo! (1 Pedro 1.19-20)

Esta é a prova de amor de Deus, que providenciou antes da fundação do mundo a nossa salvação. Ele nos amou com um amor eterno e fez com que, por meio do sacrifício do Seu Filho Unigênito, fôssemos feitos d’Ele. Não há maior manifestação de amor que esta. Os salvos em Cristo são amados por Deus! (Rm 5.8)

Compreendendo esta verdade do Evangelho, que Jesus morreu para nos purificar do pecado e livrar-nos da justa ira de Deus. Como podemos tomar posse desta verdade e vivermos por ela, livres do pecado e da condenação que cerca-nos tão ardilosamente?


O convite ao arrependimento
Para que o homem pecador seja salvo, ele precisa se arrepender e crer no Evangelho. A mensagem da cruz culmina com o convite ao arrependimento, onde Deus chama todos os homens à conversão.
Desde João Batista, a pregação é sempre a mesma: “ARREPENDEI-VOS! ” (Marcos 1.15). Somente a partir da revelação do Evangelho, o homem consegue ver a gravidade dos seus pecados e clamar pela salvação em Cristo (Atos 2.37).
Nisto, vemos a discrepância com a pregação atual. Pois o que se prega atualmente em muito difere-se do arrependimento bíblico.

Mas o que significa arrependimento?
Arrependimento significa: “mudança de mente”, da palavra grega “metanoia”. Porém, é muito mais que uma superficial mudança de mente. Para o grego, este termo significava a alteração de todo o intelecto, senso de realidade, transformação do centro de controle de pensamento, ações e vida humana. Um exemplo claro de arrependimento é o do Apóstolo Paulo, que perseguia os cristãos vigorosamente por que pensava ser Jesus Cristo o maior blasfemo que já existiu e a religião cristã a pior seita que se instaurou sobre a terra. Para ele, os seguidores do nazareno deveriam ser mortos por heresia e o legado do Jesus ser extinguido da terra. Porém, na estrada de Damasco, Paulo se encontra com Jesus e então a sua vida é totalmente mudada, e ele vê que Cristo é o Filho de Deus, o Messias prometido e que os cristãos eram o povo escolhido de Deus. De perseguidor, ele torna-se o maior missionário do cristianismo, perseguido, torturado, por vezes preso, e dedicou toda a sua vida pela causa de Cristo Jesus como um dos mais importantes apóstolos. Isto é conversão! Quando toda a sua mente muda, as suas concepções sobre vida e realidade são zeradas e você passa a ver tudo sob a ótica de Jesus Cristo. É quando o centro de controle de suas ações, sentimentos e existência é totalmente reprogramado para viver em função de outro, a saber, Cristo Jesus. Outros exemplos podem ser muito bem citados, como Mateus (Mt 9.9ss), o Endemoninhado Gesareno (Mc 5.1-20) e outros.
Diferentemente do que se prega atualmente, arrepender-se é muito mais que adicionar “Jesus” a um espaço vazio no coração, mas é antes de qualquer coisa, destruir todas as paredes de nosso interior para que Jesus nos tome por completo para Si. Ele é o Rei que precisa ser totalmente entronizado em nossas vidas, fazendo-nos viver em função do Seu Reino (Mt 6.33). Assim, antes nós que amávamos o pecado (Jo 3.19), passamos a odiá-lo com violento furor; e antes, que odiávamos a Deus (Rm 1.30), passamos a amá-Lo de todo coração, alma, força e entendimento (Lc 10.27). Contemplamos nossa podridão e entregamo-nos ante Seu governo, acatando todas as suas exigências.
Uma vez que fomos arrependidos pelo Espírito Santo (Jo 16.8), somos impelidos a confiar incondicionalmente em Jesus. De modo que qualquer afirmativa de que qualquer obra venha nos salvar, se torne estranha e repulsiva a nós. Como diz o cântico: “Nada apresento em minhas mãos, senão a fé em Jesus Cristo”. Ele se torna a esperança única a todo coração regenerado, de modo que o crente em nada aplica o mérito da sua salvação senão em Cristo Jesus (Ef. 2.8-9).

E como sei que sou salvo?
A maneira de saber se somos salvos é um contínuo crescimento na graça e no conhecimento de Cristo. O salvo continuará a crer em Jesus Cristo (Jo 3.16) e isto o levará a crescer na fé. Ele não viverá em carnalidade (Rm 6.1-2), deixando de ser ímpio (Que significa “amante do pecado”). Além deste fato, ele será continuamente corrigido pelo Senhor. O grande diferencial do réprobo ante o salvo é que Deus abandona aquele às suas paixões, enquanto ao salvo, Deus continuará permanentemente santificando-o e aperfeiçoando, moldando o seu caráter, punindo-o, exortando-o, testando sua fé e transformando-o à medida da estatura de Cristo Jesus (Hb 12.6ss; Tg 1.12; Ef 4.13). Ademais, o salvo recebe por capacitação do Espírito a perseverança, afim de que suporte até o fim as provações que virão (Mt 24.13).

Sendo assim, o distintivo da salvação é uma contínua e crescente fé em Cristo, o que o fará frutificar e avançar na fé, sendo sustentado por Deus em todo tempo em meio as tribulações e perseguições. Ele perseverará até o fim, não por seus méritos, mas porque Deus o sustentará até o dia da glorificação, quando então, toda a pecaminosidade se extinguirá. Esta é a garantia de que aquele que começou a boa obra será fiel para completa-la (Fp 1.16).

Esta é a mensagem antiga, a “doutrina dos apóstolos”, que leva o homem a salvação (1 Jo 5.13) e glorifica a Deus como seu fim último. O que passa disto deve ser considerado maldição por amor a Cristo (Gl 1.8). Que a glória seja sempre dada a Deus em Cristo, autor e consumador da nossa fé!

Leitura complementar:
·         O Verdadeiro Evangelho – Paul Washer. Editora FIEL;
·         A mais terrível verdade das escrituras** – Paul Washer (Internet);
·         Orientações para odiar o pecado – Richard Baxter (Internet);
·         A decisão por Cristo – L. R. Sheldon Jr – Editora FIEL;
·         Bíblia Sagrada.

Que Deus os abençoe!

Luan Almeida.

Mais acessados

Entrevista com Pr. Wilson Porte Jr. [VÍDEO]

Nesta entrevista com o Wilson Porte Jr., realizada no 2º Fórum de Cosmovisão Cristã Sul-Baiano, o pastor fala sobre sexualidade cristã, homossexualismo, ideologia de gênero, a "eisegese gay", que reinterpreta textos bíblicos para torna-los favoráveis à sua agenda e como a igreja deve relacionar-se e tratar aqueles que se encontram tentados por pecados de ordem sexual. Wilson Porte Jr é escritor, professor de teologia e ministro de confissão religiosa servindo há 10 anos a Igreja Batista Liberdade, em Araraquara-SP.

Acesse a página do Pr. Wilson Porte:http://wilsonporte.org/



DEUS PRESERVARÁ OS MEUS INIMIGOS PARA QUE VEJAM A MINHA VITÓRIA! (?)

Bem... Não é o que diz a Bíblia! Está "na moda" seja em músicas tidas como gospel ou naquelas cantadas por grandes pensadoras contemporâneas, a afirmação de que Deus conservará a vida dos nossos inimigos para que eles vejam a nossa vitória, como se esse fosse o único objetivo da criação e preservação daquela vida.




Porém, nas Escrituras, é claramente perceptível a razão pela qual Deus cria o indivíduo. E eu sinto (sic) em dizer que não é para ser um contemplador de conquistas egoísticas alheias ou para ser um invejoso de triunfos outros. A razão é a glória do próprio Deus, como está em Isaías 43.6-7. Ademais, vemos impresso na revelação que esta é, na verdade, a razão de TODAS as coisas. Ele é tão preciosista com Sua glória que até mesmo suas promessas são feitas por amor do Seu Nome, como registra Isaías 48.9-11.

Por este motivo, Deus cria, sustenta, preserva, destrói, salva... Tudo. Absolutamente tudo para o louvor da sua gloriosa vontade soberana: (Efésios 1.4-6; Jeremias 1…

Retalhos recomenda: Projeto Sola

Retalhos Teológicos recomenda: Projeto Sola.
O Projeto Sola é um "folk-duo" formado por Guilherme Andrade e Guilherme Iamarino, de Minas e São Paulo respectivamente. As canções são baseadas na fé reformada e têm como pilares as Cinco Solas da Reforma Protestante. Tudo começou quando os dois se conheceram, em 2013. Os dois tinham bandas separadas, mas se conheceram quando foram tocar em um evento. “A gente começou a conversar via internet e o Gui se manifestou propondo que a gente fizesse alguma música juntos, compuséssemos alguma música juntos ou fizéssemos alguma coisas que desse para a gente tocar ao vivo”, diz o Guilherme Andrade (Confira o vídeo abaixo).

Depois nós entramos na mesma faculdade e começamos a nos ver ver periodicamente, em 2014. ele me mostrou ‘Redenção’, uma das músicas do EP e eu gostei da canção. Tinha algumas músicas também nessa pegada e decidimos gravá-las”, conta.
A banda tem forte influência de sons como I Am They e Mumford and Sons, principalmente…

Retalhos no YouTube